Decoração estilo contemporâneo

A decoração em estilo contemporâneo é tida para alguns como uma decoração fria e sem vida. Muitos são aqueles se recusam na totalidade a aceitar os ideais “clean” do estilo contemporâneo. Mas este estilo é mais do que essa “ausência de vida” que muitos afirmam – as suas bases são inteligentes e totalmente adequadas à vida agitada que levamos.

Prático, simples e limpo

A decoração contemporânea assenta nos três pilares acima enunciados. A ideia é conseguir ambientes simples e práticos que sejam fáceis de aceder e usar no dia a dia sem que se perca muito tempo nas tarefas que precisam ser executadas. Além disso, é muito valorizada a limpeza do ambiente, não apenas em termos físicos mas também no ambiente.

Para conseguir uma decoração neste estilo é utilizado mobiliário de linhas direitas e de materiais pouco trabalhados. São normalmente mobílias imponentes, com uma superfície relativamente larga e, por vezes, não muito altas. Há uma grande combinação de materiais, desde os vários tipos de madeira, a pedra (por exemplo, o mármore), o metal, nomeadamente, o aço e também o vidro. São privilegiados metais prateados uma vez que os dourados remetem mais para “o antigo”.

Objetos decorativos

Seguindo a linha contemporânea deve-se optar por colocar poucos objetos decorativos, mantendo o espaço mais livre. E, mais importante ainda, aqueles que são colocados devem ser imponentes e de bom gosto e qualidade.

Algo muito relevante é a luminosidade, pelo que os candeeiros acabam por fazer parte dos objetos decorativos de grande porte, tendo uma grande importância em casas contemporâneas. Para conseguir uma melhor iluminação artificial nas janelas são colocados cortinados com tecidos leves e transparentes, com cores não muito fortes. Aliás, em geral os tecidos são lisos ou com padrões geométricos; as cores baseiam-se numa paleta básica/neutra entre o castanho, o cinzento, o azul-escuro, o preto e o branco.

É importante salientar que uma decoração contemporânea bem concebida não precisa sem “fria”. O facto de deixarmos o nosso cunho pessoal na decoração das nossas casas acaba por atuar por si só e fazer da casa um lar.